Com o tema “Construir o futuro com os migrantes e refugiados”, a celebração do 108º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado contou com diversas atividades espalhadas por todo o Brasil. Congregações religiosas, organizações e movimentos eclesiais fizeram um grande esforço para marcar essa data e trazer à tona a realidade em que atualmente se encontram milhões de migrantes e refugiados. O Dia Mundial do Migrante e do Refugiado tem ganhado cada vez mais espaço e conta com o apoio e a motivação do Papa Francisco para que esse dia seja ainda mais lembrado em todo o mundo.

Em Brasília foi realizada uma feira no Centro Cultural de Brasília (CCB) com os empreendedores que estão sendo apoiados e acompanhados por três instituições: Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiado (SJMR Brasil), CVX Brasil no projeto “Microcrédito solidário” e Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH)/Fundação Scalabriniana. Na parte da manhã os empreendedores fizeram uma exposição dos produtos e serviços que estão empreendendo no Brasil, de modo que foi possível aproveitar o fluxo das pessoas que participam da missa no CCB aos domingos e que puderam conhecer os produtos e serviços oferecidos pelos migrantes.

Pe. Agnaldo Júnior, diretor nacional do SJMR Brasil, destaca a importância de ser presença na vida dos migrantes e refugiados. “A mensagem desse ano nos convida a conversão, a compreender que ninguém deve ser excluído, que o plano de Deus é sempre inclusivo, que os migrantes e refugiados não chegam de mãos vazias aos países de destino, que eles são importantes agentes de desenvolvimento aonde chegam e são acolhidos, de forma que poderiam contribuir ainda mais se formos capazes de valorizá-los e apoiá-los através de programas e projetos específicos. Essa é a tarefa que nos toca como continuadores do projeto de Jesus. Atualizar sua presença amiga junto aos migrantes e refugiados, atuando em rede na busca de caminhar juntos com eles e construir um futuro melhor para todos e que ninguém fique para trás” lembrou.

Para o Frei Rogério Soares, vigário episcopal para os assuntos sociais e promoção humana na Arquidiocese de Brasília (DF), o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado é a oportunidade para inserir na pauta da Igreja esse tema que é tão atual. “Cada vez mais vemos pessoas deslocadas de seus países, sobretudo na América Latina temos os venezuelanos que vêm em massa para o Brasil e outros países. Nós como um país acolhedor precisamos nos preparar e ter a mentalidade de que aqueles que vem de fora não querem ser invasores, como diz Papa Francisco em sua mensagem, mas vem para colaborar com o enriquecimento cultural e econômico do país. São pessoas que vem para trabalhar, com seus sonhos, e precisam ser apoiados”, destacou o frei.